quarta-feira, 4 de março de 2015

A AUDIÊNCIA!

Culpado! "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Romanos 3.23).

Não importa quão bom você pense que é ou quão bom as pessoas dizem que você é, diante de Deus você é culpado, culpado do pecado.

A partir da desobediência de Adão um vírus surgiu e tem sido transmitido ao DNA de todos os humanos ao longo das gerações. O nome deste vírus é pecado, de sorte que você, eu, todos nós, já nascemos com ele. Ao crescermos, ele se manifesta, e começa a produzir seus efeitos de forma intensa, e é por causa dele que você está sendo levado agora, para a audiência, a audiência mais importante de sua vida!

Não existe ninguém tão inocente que seja dispensado da audiência, nem ninguém tão culpado a quem não seja dada a oportunidade de se defender. Você foi intimado. A audiência vai começar...

Todos em seus lugares, feitos os pregões iniciais, a audiência se inicia.

O Juiz é mais sábio do que a própria sabedoria. Presciente e onisciente, ele conhece toda sua vida, do dia em que foi gerado, até o momento atual, bem como sabe ainda todo o seu futuro, pela eternidade! Ele sabe que você não é tão bom quanto dizem, que muitas vezes seus pensamentos não são tão dignos quanto suas ações, mas também sabe que você não é a pessoa horrível que muitos consideram, ele conhece você, melhor do que você mesmo. 

Sabe que, muitas vezes, você até deseja fazer o bem, mas não consegue. O bem que deseja não faz, e o mal que não deseja, faz. Ele sabe que você nem sempre foi assim, rebelde, desobediente, mau. Um dia você foi uma pessoa normal, uma criança feliz, por mais que tenha enfrentado desafios e tenha tido uma vida difícil, você era bom, mas em algum momento, em meio a todas as circunstâncias, em meio a tanto caos e sofrimento, você se entregou, você se perdeu, permitiu que o mal te influenciasse, tomasse conta de você.

Tantas injustiças, tantos traumas, tanta revolta, e você se entregou às drogas, à criminalidade, ou apenas perdeu a esperança, a fé em Deus! Afinal, que Deus poderia permitir que tudo isto te acontecesse? 

Aberta a audiência, o Juiz então passa a descrever sua história, sem parcialidade, sem lendas, fato a fato, tudo aquilo que, de fato, aconteceu. A história real, não a estória contada, sem injustiças, sem mentiras.

Agora, é a vez do acusador. Ele também sabe sobre os fatos passados e presentes sobre sua vida, mas não sobre seus pensamentos, nem sobre suas intenções, tampouco sabe o resultado da audiência. Mas, sem dúvidas, fará de tudo para que você seja condenado!

Ele então passa a te acusar. As palavras dele são como flechas que rasgam a alma, fazendo você parecer a pior pessoa do mundo, talvez você até seja, mas as palavras dele pioram ainda mais sua situação. Ele conta sobre todos os seus momentos de fúria, sobre toda sua ira, sobre toda sua maldade, sobre toda sua malícia, sobre as mentiras que disse, sobre os vícios que tinha, sobre as injustiças que cometeu, sobre as calúnias que proferia, sobre os crimes que praticou! Parece não ter jeito, você está prestes a desabar. 

Você, cabisbaixo, já se considera condenado. Parece não haver mais jeito, mas solução. Agora acabou. O último fio de esperança foi perdido. Só te resta lamentar, chorar, você quer morrer e acabar logo com isso, mas não sem antes a audiência terminar, e ela ainda está só começando...

Uma testemunha surge, o Juiz aceita ouvi-la. E ele então logo passa a declarar: - Excelência, este ser humano nem sempre foi assim. Mas, as circunstância da vida, o sofrimento, o meio, os traumas que sofreu, o fizeram assim. Foi exposto ao pecado, à maldade do mundo desde muito cedo. Até quis fazer escolhas diferentes, mas não teve forças. Quis seguir um caminho diferente, mas foi influenciado pelo príncipe do reino deste mundo a seguir pelos caminhos que seguiu. 

O advogado então surge e complementa: - Sim, Excelência, ele foi forçado pela pressão do pecado a tomar decisões erradas, contrárias ao que considerava certo. Seus pés titubearam, sua carne cedeu, ele adoeceu, seus olhos logo perderam o brilho, sua bondade aos poucos desapareceu, seu estado só piorou com o tempo, cada vez mais doente, o vírus do pecado o acometeu com violência, e é por isso que hoje ele está assim, nesta situação, mas ainda há nele bondade, Excelência. 

O advogado, empático, como se a si mesmo se defendesse, conhecendo em carne, as fraquezas e os defeitos de seu cliente, prossegue: - Ainda há bondade em seu coração, ainda há esperança em seus olhos, ainda há sonhos em seus pensamentos, ainda há um futuro!

Infelizmente, mesmo considerando todos os depoimentos, a testemunha, seu melhor amigo, que viu tudo que você fez e te conhece tão bem, o Advogado, com sua defesa brilhante, bem como suas próprias intenções, levadas em consideração pelo Juiz, por melhores que tenham sido,ainda que as boas tenha superado as más, em grande proporção, não foram capazes de mudar o juízo sobre você: Culpado! Declarou o Juiz! E a condenação foi a pena de morte!

- Esperem! Declarou o Advogado! Tenho um requerimento a fazer! 

Surpresos, o silêncio tomou conta do ambiente, todos esperavam pelo pedido. Afinal, o que fazer diante de uma condenação perante um Juiz onisciente? Que argumento usar diante de grande sabedoria e conhecimento? 

Irrompendo o silêncio, com lagrimas nos olhos, o Advogado propõe: Requeiro a sub-rogação em lugar da pessoa do acusado. Ofereço toda minha vida, meu sangue, minha pureza, minha nobreza, minha saúde, minha alegria, minha paz, minha bondade, meu amor, minha compaixão, ofereço-me como pagamento pelo resgate da vida deste ser!

Uma situação inédita! Mais um longo momento de silêncio... E para surpresa de todos, o Juiz então aceita a proposta, afinal, alguém ainda precisava sofrer a punição, pagar a pena. 

O Advogado então segue, aprisionado, como ovelha muda, para ser açoitado, escarnecido, humilhado, surrado, ferido, moído, castigado, pisado (Isaías 53.5). Levando sobre si todas as dores, sofrimentos, erros, doenças, pecados, daquele que deveria ser punido. Rejeitado e desprezado, aquele nobre Advogado tornou-se alguém de quem as pessoas escondiam o rosto. Foi reputado por aflito, ferido de Deus e oprimido. Suportou toda a ira daquele Juiz, e morreu! A pena foi cumprida, integralmente. A justiça foi feita, você está livre hoje, graças ao seu sacrifício!

Prezado leitor, este acusado é você. O Advogado é Jesus, o Juiz, Deus, o Promotor, o diabo, e a testemunha, o Espírito Santo.

E, foi graças a esse sacrifício, o sacrifício de Jesus, que nós hoje podemos alcançar a absolvição, a salvação, não por mérito próprio, mas pela substituição de Jesus em nosso lugar recebendo a ira de Deus para que nós fôssemos perdoados e reconciliados com Deus.

Justiça e amor! Amor e justiça!

Não sei qual sua situação na audiência, se muito culpado, pouco culpado ou se achando inocente, a verdade é que de alguma forma todos éramos culpados. nenhum de nós poderia salvar-se a si mesmo, seja por meio de ações ou sacrifícios seja por qualquer outro esforço pessoal ou coletivo. Trata-se de favor imerecido, amor, graça!

Por amor e por sua graça é que hoje podemos alcançar a salvação em Cristo Jesus. Não importa quem você é, o que você fez ou como você se encontra. Ainda há esperança, ainda há um futuro. Jesus ainda pode advogar sua causa! Não há acusação da qual Ele não possa te absolver. Não importa em que fase do procedimento seu processo se encontra, Jesus quer advogar sua causa. Ele não perde em questão!

Ainda que você ache que para você, não há mais solução, não há mais recursos, embargos ou qualquer outro meio de defesa, Jesus quer transformar sua vida! Também não importa quão grave foram as coisas que você fez ou traumas que sofreu, Jesus ainda pode mudar essa situação!

E Ele te convida hoje para aceitá-Lo como único e suficiente procurador, causídico, defensor, Advogado, como um verdadeiro salvador do seu caso, da sua vida, porque para Ele não exista causa perdida, nem caso impossível, nem sentença irrecorrível ou irrescindível. Somente Ele pode mudar definitivamente, com efeitos ex nunc e erga omnes, seu caso, sua história, seu futuro! Ele quer te salvar!

Caro leitor, um dia todos havemos de ser julgados. Entretanto, somente aqueles que são representados por Jesus é que poderão ser absolvidos das acusações dos livros, e da ira de Deus. Aceite-O hoje como seu Advogado, como seu salvador! Jesus vive, Ele reina, eternamente!

Se você deseja, agora, em seu íntimo e de forma sincera constituir Jesus como seu defensor, e único e suficiente salvador, e não sabe como orar, pode orar assim: "Senhor Jesus, reconheço que sou pecador, e que necessito do teu perdão e da tua salvação. Te peço perdão por minhas falhas, meus erros e pecados e neste instante te entrego a minha vida. Me transforme, mude o meu caráter e me torna parecido contigo. Guia cada um dos meus passos, firma-me nos teus caminhos e me ajude a te seguir carregando a minha cruz. Obrigado por teu perdão, por teu amor e por tua salvação. Amém!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente, opine, sugira!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...